O Dia Mundial dos Cuidados Paliativos é assinalado, à escala global, no segundo sábado de outubro. O objetivo desta efeméride é sensibilizar a comunidade internacional para o significado e importância dos Cuidados Paliativos.

Os Cuidados Paliativos procuram melhorar a qualidade de vida dos doentes, das suas famílias e cuidadores pela prevenção e alívio do sofrimento, através da identificação precoce, diagnóstico e tratamento adequado da dor e de outros problemas, sejam estes físicos, psicológicos, sociais ou espirituais. (OMS, 2020)

Há mitos que ainda persistem sobre os Cuidados Paliativos e que temos, enquanto sociedade, que desmitificar. A Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos menciona os seguintes 7 principais mitos.

Mito 1: Os Cuidados Paliativos aceleram a morte

Os Cuidados Paliativos não aceleram, nem adiam a morte. Promovem conforto e qualidade de vida desde o diagnóstico de uma doença avançada e/ou grave, até ao fim da vida. Quando empregados desde o início da evolução da doença, podem, inclusivamente, aumentar o tempo de vida.

PORQUE TODOS OS MOMENTOS IMPORTAM

Mito 2: Os Cuidados Paliativos são aconselhados quando a morte é muito próxima

Os cuidados paliativos são muito úteis desde as primeiras fases de várias doenças, devendo ser implementados juntamente com tratamentos curativos.

PORQUE TODAS AS ETAPAS IMPORTAM

Mito 3: Os Cuidados Paliativos são, regra geral, só para doentes idosos

Os Cuidados Paliativos destinam-se a pessoas de todas as idades. Uma pessoa pode desenvolver uma doença grave e/ou avançada em qualquer idade e os programas de Cuidados Paliativos estão concebidos para cuidar doentes de qualquer faixa etária.

PORQUE TODAS AS IDADES IMPORTAM

Mito 4: Os Cuidados Paliativos são apenas prestados nos hospitais

Os cuidados paliativos podem ser prestados onde quer que o doente esteja ou resida – em casa, em instituições de acolhimento, em unidades de cuidados continuados, em unidades de cuidados paliativos ou em hospitais.

PORQUE TODOS OS LUGARES IMPORTAM

Mito 5: Qualquer pessoa tem acesso a Cuidados Paliativos

Apesar de todas as pessoas terem o direito a beneficiar de Cuidados Paliativos, a maioria dos doentes com necessidades paliativas estão privados de acesso aos cuidados de saúde que precisam. Em Portugal, o número de equipas domiciliárias e unidades de internamento específicas para estes doentes é, manifestamente, insuficiente para fazer face às necessidades evidenciadas.

PORQUE TODOS OS CONTEXTOS IMPORTAM

Mito 6: Os Cuidados Paliativos dirigem-se apenas à pessoa doente

Os Cuidados Paliativos podem beneficiar doentes, familiares (pais, filhos, irmãos, avós, etc.), profissionais de saúde e outros cuidadores envolvidos, logo desde o diagnóstico de qualquer doença que ameace a vida.

PORQUE TODOS OS CUIDADORES IMPORTAM

Mito 7: Os Cuidados Paliativos significam que o meu médico desistiu de mim e que não existe mais esperança.

Os Cuidados Paliativos asseguram a melhor qualidade de vida para as pessoas a quem foi diagnosticada uma doença grave e/ou avançada. São cuidados que se centram na pessoa doente e nos seus cuidadores, visando colmatar todas as necessidades que possam existir, não só no que respeita ao conforto físico, como psicoemocional e espiritual. Não desistem das pessoas, mas, antes, colocam-nas no centro de toda a atenção.

PORQUE TODOS OS DOENTES IMPORTAM

Nos últimos anos tem havido um maior avanço nos cuidados paliativos em Portugal, com uma maior sensibilização da população em geral e uma maior preocupação e melhoria nas organizações de saúde, no entanto, ainda existe um longo a caminho a percorrer. Para chegarmos a todos, precisamos de todos!

Fontes:

Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos – www.apcp.com.pt;

DGS – www.sns.gov.pt/sns/cuidados-paliativos;

Plano Estratégico para o Desenvolvimento dos Cuidados Paliativos 2021 – 2022;

OMS – publicado em https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/palliative-care.

 

 

 

 

 

 

 

ACeS Cávado II – Gerês Cabreira – USF Prado