Cuidados no Centro da Saúde versus Cuidados no Centro de Saúde: Cuidados Centrados na pessoa… a caminho da uma maior humanização

Com a reconfiguração dos cuidados de saúde primários formaram-se equipas multiprofissionais diferenciadoras no que concerne aos saberes específicos da sua área de atuação, no intuito de promover mais e melhores cuidados. Como é que encaixamos estes saberes no conceito, também ele atual de cuidados centrados no utente em que o utente é o decisor último, já que se trata do seu projeto de saúde-doença?

De acordo com o Relatório Mundial da Saúde – financiamento dos sistemas de saúde: o caminho para a cobertura universal (OMS,2010) 1 em cada 5 pessoas são submetidas a pelo menos um meio complementar de diagnóstico sem necessidade e 20 a 40% dos gastos em saúde se devem a ineficiência dos cuidados.

Por outro lado, o aumento da esperança média de vida não trouxe só mais anos à vida, mas também, mais doenças e vulnerabilidades que requerem cuidados. Deste modo, os cuidados de saúde precisam de ir ao encontro das necessidades dos utentes e em parceria com eles, ao invés de para eles.

O respeito, a informação, o envolvimento, o suporte e a dignidade são pilares dos cuidados centrados no utente, traduzindo-se para o utente na melhoria da confiança, experiência e resultados em saúde. Por outro lado, aumenta a satisfação dos profissionais e a eficiência do Sistema Nacional de Saúde.

Segundo o Relatório Anual de Atividades do Centro Europeu para os Cuidados de Saúde primários (OMS, 2017), o cuidado centrado no utente aumenta a acessibilidade e reduz a utilização desnecessária dos serviços. Significa o cuidado certo, na hora certa e no local certo.

Face ao exposto a implementação dos cuidados centrados no utente requer alterações fundamentais na abordagem dos profissionais, assim como a redefinição da organização dos serviços de saúde. Implica mudar a questão o que o trouxe à consulta para o que é importante para si.

Este novo paradigma de cuidados é diferenciador e vai ao encontro daquilo que as pessoas precisam, respeitando os seus valores e preferências, promovendo a autonomia na tomada de decisão.

Cuidados centrados na pessoa são alicerçados na escuta ativa entre utentes e equipa multiprofissional formando e informando sobre o processo de saúde-doença, englobando a família e comunidade, se necessário, num continuum de cuidados.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EPSTEIN, Ronald M., & JR., Richard L. Street (2011). The Values and Value of Patient-Centered Care. Annals of Family Medicine, 9 (2), 100-103. Consultado a 01/04/2022. Disponível em https://www.annfammed.org/content/annalsfm/9/2/100.full.pdf

OMS (2010). Relatório Mundial da Saúde – financiamento dos sistemas de saúde: o caminho para a cobertura universal. Lisboa: Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. Disponível em
https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/44371/9789899717848_por.pdf?sequence=33&isAllowed=y

WHO (2017). European Centre for Primary Health Care: Annual Report of Activities 2017. Denmark: WHO Regional Office for Europe. Disponível em file:///C:/Users/frpir/OneDrive/Desktop/gdo-report-2018-eng%20WHO.pdf