Percepção da grávida sobre alteração de comportamentos e pessoas influentes neste processo

INTRODUÇÃO

No ser humano, a gravidez é o período de cerca de nove meses a contar da fecundação e implantação do produto da fecundação, o ovo. Durante este período, o ovo torna-se um embrião e mais tardiamente um feto, envolve-se por membranas e alimenta-se à custa da mãe pela placenta até ao nascimento.

A gravidez é concebida como um período de desenvolvimento, que se caracteriza pela necessidade de resolução de determinadas tarefas. Assim, segundo Canavarro, 2001, podem nomear-se as seguintes tarefas desenvolvimentais: “a) aceitar a gravidez; b) aceitar a realidade do feto; c) aceitar o bebé como pessoa separada; d) reavaliar e reestruturar a relação com os pais; e) reavaliar e reestruturar a relação com cônjuge / companheiro; f) reavaliar e reestruturar a sua própria identidade para incorporar a identidade materna; g) reavaliar e reestruturara a relação como os outros filhos (caso eles existam) (Canavarro, 2001, p.204).

Se por um lado as alterações fisiológicas são indispensáveis para que a gravidez se realize com sucesso estas podem ser alteradas ou potenciadas por comportamentos sadios ou menos sadios na medida em que a grávida se encontra inserida numa comunidade podendo sofrer várias influências.

Durante o período pré-natal verificam-se muitas alterações fisiológicas, psicológicas e comportamentais as quais são indispensáveis as correspondentes adaptações para que o sucesso seja alcançado. Adaptações essas que poderão provocar alterações no comportamento da mulher.

 METODOLOGIA

OBJECTIVOS

Identificar as pessoas que influenciam os comportamentos da mulher grávida e identificar os comportamentos alterados e percebidos pela grávida.

Tipo de estudo: exploratório simples de natureza qualitativa;

A amostra acidental foi constituída por dez mulheres;

Os critérios de inclusão da amostra; a mulher estar grávida, disponibilizar-se para participar no estudo.

O instrumento de colheita de dados foi a entrevista semiestruturada. O tratamento dos dados foi efetuado pela análise do conteúdo, posteriormente foram identificadas categorias de analise que imergiram do corpus constituído pelos relatos das grávidas.

Fig:1 Pessoas que influenciam os comportamentos da mulher grávida

Categoria Dimensão
Pessoas que influenciam os comportamentos da mulher grávida Outras pessoas
Profissionais de saúde
Própria

 

Fig: 2 Comportamentos alterados pelas grávidas

Categoria Dimensão Domínio
Comportamentos alterados pelas grávidas Alimentação
Atividade física Trabalho
Exercício
Auto imagem Cuidados com a pele
Cuidados com o peso
Sexualidade
Repouso e sono

 

A confidencialidade dos dados, os anonimatos foram mantidos ao longo de todo o estudo.

Fig: 3 Exemplos relatados pelas grávidas

Por ela deixei de fazer umas coisas e passei a fazer outras, mas não me arrependo apesar de sentir muitas saudades delas” (E5)
“a forma de vestir não se veste a roupa que a gente mais gosta” (E8)
Há certas coisas que já não faço, por exemplo a passar o chão não posso dobrar tanto, para pegar num cesto da roupa tenho que me aninhar, não me posso vergar, não pego em pesos” (E8)

RESULTADOS

A maioria das mulheres não têm perceção da real mudança dos seus comportamentos.

Da família alargada resultam maioritariamente as pessoas influentes da grávida, o feto é também apontado como gerador de mudança.

Os profissionais de Saúde é outra das dimensões identificadas.

A própria grávida surge como responsável pela mudança dos seus comportamentos.

O regime alimentar é onde foram relatadas mais alterações.

Na dimensão Atividade física e domínio trabalho as grávidas manifestaram terem alterado algumas formas de desenvolver certas atividades da vida diária; domínio exercício físico foram relatadas alterações ao nível do exercício praticado anteriormente á gravidez.

As alterações relacionadas com os cuidados relativos á pele, ao vestuário e com a aparência física conduziu-nos para a alteração da autoimagem.

O aumento de peso durante a gravidez é referido como uma preocupação com a aparência física.

O controlo de peso é uma das preocupações e da qual resulta alterações de comportamento mais propriamente dos hábitos alimentares.

Nas alterações repouso e o sono encontramos apenas uma referencia.

A sexualidade foi referida por uma das participantes.

IMPLICAÇÕES

Os profissionais de Saúde têm de conhecer os contextos onde se inserem as famílias, para melhor conhecer a perceção que as grávidas têm dos seus comportamentos e desta forma integrarem a educação para a saúde dirigida a este grupo.

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BAYLE, Filomena – A Parentalidade. Psicologia da Gravidez e da Parentalidade. Lisboa: Fim de Século, 2005.

CANAVARRO, Maria Cristina – Psicologia da gravidez e da maternidade. Coimbra: Quarteto Editora, 2001.

COLMAN, Libby Lee, e CLOMAN Arthur, D –  Gravidez a experiência psicológica Lisboa Edições Colobri, 1994.

CUNNINGHAN Williams [et al] Obstetrícia – 20º Edição – Editora Guanabara Koogan – Rio de Janeiro, 2000.

FORTIN, Marie- Fabienne, Ph. D – O Processo de Investigação, da concepção à realização. Lusociência, 1999.

MINISTÈRIO DA SAÚDE DGS – Guias de educação e promoção da saúde, Lisboa ,2001

ZIEGEL, Erna E; CRANLEY, Mecca S. – Enfermagem Obstétrica. 8ª ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1986.

 

CARVALHO, Ana Paula
UCC Amares Enfermeira Especialista de Saúde Materna e Obstetrícia