A Tuberculose Existe

Ao contrario do que se possa pensar a TUBERCULOSE existe: em 2016 mais de 10 milhões de pessoas adoeceram com tuberculose em todo o Mundo.
Em Portugal, nos últimos 10 anos assistiu-se a uma diminuição de cerca 40% da taxa de notificação e de incidência de tuberculose, com valores de incidência abaixo dos 20/100.000 habitantes desde 2015.

A tuberculose é uma doença causada pelo Mycobacterium Tuberculosis, sendo o pulmão o principal atingido – tuberculose pulmonar – mas pode atingir qualquer órgão (tuberculose extra-pulmonar).

Quando o doente tem tuberculose pulmonar, emite bacilos para o ar quando tosse, espirra, fala ou canta. São esses bacilos que vão ser inalados pelas pessoas que com ele contactam regularmente. Na maioria dos casos o organismo humano elimina os bacilos, no entanto, uma percentagem muito pequena de pessoas pode não conseguir eliminar o bacilo, ficando infetada (tuberculose latente). Nesta situação a pessoa está saudável, não tem qualquer sintoma e não contagia. Cerca de 10% das pessoas com tuberculose latente irão desenvolver tuberculose doença no decorrer das suas vidas, sendo esse risco maior nos dois primeiros anos após a infeção.

Quais são os sintomas da tuberculose doença?

Os doentes iniciam os sintomas de uma forma discreta, que frequentemente não valorizam. Apresentam tosse, inicialmente seca e depois com expetoração (por vezes com sangue), cansaço, falta de apetite, emagrecimento, suores noturnos e febre baixa de predomínio noturno.

Como é feito o diagnóstico de tuberculose? O diagnóstico de tuberculose pulmonar é efetuado através da realização de radiografia pulmonar e da pesquisa de Mycobacterium tuberculosis nos produtos orgânicos (expetoração, sangue, urina, etc). Quando a tuberculose atinge outros órgãos, o diagnóstico pode ser mais difícil e demorado.

O seu tratamento é feito nos Centros de Diagnostico Pneumológico (CDP) da respetiva área de residência, em articulação com a Unidade de Saúde Publica (USP) e a Unidade de Saúde Familiar do doente.

O tratamento da tuberculose tem uma duração mínima de 6 meses.

Como evitar o contágio da doença? O uso de máscara pelo doente que emite bacilos, diminui a probabilidade de contágio, uma vez que limita o número de bacilos que são libertados para o ar e impede a sua inalação por outras pessoas.

Como é feito o rastreio de conviventes?

Os contactos a rastrear incluem as pessoas que coabitam e as que partilham o local de trabalho do doente com tuberculose doença. A avaliação da situação é da responsabilidade da Unidade de Saúde Pública e mediante essa avaliação as pessoas serão encaminhadas para o CDP para serem submetidas a rastreio. O rastreio é realizado no respetivo CDP, e consiste na
realização de uma radiografia de tórax (pesquisa tuberculose doença), do teste IGRA (identifica tuberculose latente) e inquérito de sintomas.

Para o esclarecimento de duvidas sobre este assunto, contacte a sua unidade de saúde ou o CDP da sua área de residência.